A Alemanha é um país muito apreciado pelos turistas, graças a suas lindas paisagens, modernos centros urbanos, deliciosa gastronomia e muito mais. Além disso, para os amantes de viagens de trem, existem passeios encantadores a se fazer. Abaixo estão as sete das mais belas rotas de trem na Alemanha.

1

1 – Trem de Offenburg para Konstanz (Rota da Floresta Negra)

A Rota da Floresta Negra é muito conhecida, afinal as paisagens são deslumbrantes. A Floresta Negra (Schwarzwald em alemão) é uma cordilheira do sudoeste da Alemanha, atravessada pela linha divisória de águas entre o Oceano Atlântico e o Mar Negro. Sua linha ferroviária percorre 150 km de paisagens memoráveis entre Offenburg e Konstanz, passando por túneis, florestas de pinheiros e árvores de galhos escuros.

Sua aura de mistério se deve à folhagem densa e escura, que inspirou os Irmãos Grimm em suas histórias (como a de João e Maria), assim como a mitologia local, repleta de lobisomens, bruxas e magos. Para os amantes da gastronomia, essa rota é ótima para provar pratos típicos da região durante as paradas (como em Donaueschingen), como o Kalbsrouladen (rocambole de vitela) e o bolo Floresta Negra.

2

O Bolo de Floresta Negra, a combinação de bolo de chocolate, cereja e chantilly resulta em um dos bolos mais saborosos do cardápio de aniversários e padarias. Que o bolo é uma delícia todos sabemos, porém poucos conhecem a verdadeira origem dele: a floresta negra realmente existe! No sudoeste da Alemanha, em Baden-Württemberg, encontra-se uma região florestal de cerca de 12 mil km² conhecida como “Floresta Negra”. A paisagem selvagem inspirou contos e carrega em suas raízes centenas de tradições… Uma delas é a da receita do bolo mundialmente conhecido.

3

As cores do bolo foram inspirados nos trajes tradicionais das moças solteiras da região durante o século 19, o creme branco remete à cor das mangas dos vestidos e o chocolate e cereja na cor do bollenhut, chapéu típico com bolas vermelhas que indicam o estado civil das jovens. Originalmente o bolo é preparado com Kirsch, um licor tradicional da região.

O bolo foi criado como complemento do tradição e as jovens solteiras serviam eles para seus pretendentes.

Aproveite também para comprar ou simplesmente admirar os tradicionais relógios-cuco da região, ou relaxe em um banho termal em Baden-Baden. Nessa rota panorâmica você viaja nos trens regulares.

2 – Trem de Munique para Füssen (Castelo de Neuschwanstein)

O trecho Munique – Füssen, também conhecido como a Rota Romântica, é procurado por quem quer conhecer o Castelo de Neuschwanstein. Ele é um dos principais cartões-postais da Alemanha, e está localizado entre as cidades de Hohenschwangau e Füssen, no sudoeste da Baviera. Além disso, toda a rota é repleta de cenários bucólicos, com lindos vilarejos que parecem ter parado no tempo. O Rei Luís II da Baviera foi o idealizador do castelo no século XIX, inspirado pela obra de um grande amigo, o famoso compositor Richard Wagner. Para desenhá-lo, chamou Christian Jank, desenhista de cenários teatrais, ao invés de um arquiteto. Essa escolha já demonstra quais eram as intenções do Rei, e também explica a aparência fantástica que o castelo possui. Porém, o que se iniciou como um belo conto de fadas teve um final trágico e envolto em mistério. O Rei foi declarado insano pela Comissão de Estado em 1886, já próximo da conclusão do castelo, e ali foi aprisionado. Logo depois foi levado para Berg e em junho do mesmo ano foi encontrado morto no Lago Starnberger, junto ao psiquiatra que confirmou sua insanidade. Até hoje não se sabe exatamente o que aconteceu.

A partir de Munique você deve comprar passagem para a estação de Füssen, que custa em média 25,50 euros. Você pode adquirir também o Bayern Ticket, que custa 29 euros para até cinco pessoas viajando juntas ou 20 euros para uma pessoa. A viagem dura em média duas horas. E, se tiver mais tempo disponível, é interessante passar uma noite em Füssen, que tem várias opções de hotéis e restaurantes.

4

O castelo é belíssimo, e sua história é muito interessante: o que se iniciou como o sonho do Rei Luís II da Baviera de construir um castelo de conto de fadas, teve um final trágico e envolto em mistério. O Rei foi declarado insano pela Comissão de Estado em 1886, já próximo da conclusão do castelo, e ali foi aprisionado. Logo depois foi levado para Berg e em junho do mesmo ano foi encontrado morto no Lago Starnberger, junto ao psiquiatra que confirmou sua insanidade. Até hoje não se sabe exatamente o que aconteceu.

5

Os ingressos podem ser comprados com antecedência e retirados no dia da visita no Ticket Center de Hohenschwangau. Os ingressos custam 12 euros por pessoa; estudantes e idosos pagam 11 euros; crianças e jovens até 18 anos não pagam. É um tour guiado de meia hora, com várias opções de línguas, incluindo o português.

3 – Os Castelos da Alemanha de trem

A Rota dos Castelos da Alemanha pode ser feita de Frankfurt até Bruxelas. Nesse roteiro você embarcará em Frankfurt, em um trem Intercity Express, o trem alemão de alta velocidade. O primeiro destino é Heidelberg (viagem de 50 minutos), onde fica o famoso Castelo de Heidelberg, que no século XVII era considerado a oitava maravilha do mundo.

6

De lá o próximo passo é embarcar em um trem local com direção a Mannheim, em uma viagem de 15 minutos. De Mannheim você deve pegar o trem suíço Eurocity com destino a Colônia. Nesse trecho com duração de uma hora e meia, você passará pelos lindos castelos ao longo do Rio Reno: Marksburg, Stahleck e Rheinfels, além do Mosteiro Eberbach, onde foram feitas as filmagens internas de “O Nome da Rosa”, que hoje é uma vinícola. As entradas para esses castelos custam em média 7,50 euros. De Colônia para Bruxelas você viaja no trem de alta velocidade Thalys.

4 – Trem de Munique para Mittenwald

Mittenwald, situada nos Alpes da Baviera, é amada pelos praticantes de esqui. Ela se desenvolveu em grande parte com a ajuda da família Klotz, fabricante de violinos. A empresa foi fundada no final de 1600 e até hoje os violinos Klotz são considerados os melhores da Alemanha. Seu povo tem muito orgulho de sua história, tanto que existe até um museu dedicado a essa atividade, o Geigenbaumuseum, que vale a pena a visita. Nele você irá apreciar centenas de instrumentos, inclusive alguns fabricados pelo próprio fundador da empresa, Mathias Klotz.

7

Outra característica marcante de Mittenwald são as pinturas, presentes em muitas fachadas da cidade. Seu nome em alemão é Lüftlmalerei, cuja tradução mais fiel seria “pinturas no ar”. Elas representavam a riqueza dos proprietários dos imóveis na época das pinturas: quanto mais elaboradas, mais rico o proprietário. Os turistas se divertem passeando pelas belas ruas da pitoresca cidade, admirando e tirando fotos dessas pinturas, que são verdadeiras obras de arte.

Para conhecer a encantadora Mittenwald é só embarcar em um trem em Munique e desfrutar das paisagens durante a viagem de uma hora e 50 minutos. O trem passa por paisagens estonteantes: saindo de Munique, a linha ferroviária acompanha as margens do lago Starnberger (onde se afogou o Rei Luís II, que construiu o Castelo de Neuschwanstein, conforme explicamos mais acima). Em seguida, o trem sobe a serra junto ao rio Isar até Mittenwald, localizada no fundo do vale, próxima à fronteira com a Áustria e ao acesso a Innsbruck.

5 – Trem de Trier para Koblenz (Rota do Mosela)

Os amantes de vinho irão adorar esse roteiro, conhecido por suas cidades vinícolas (é a região vinícola mais antiga da Alemanha). São mais de 500 km de curvas pelo rio Mosela, até chegar em Koblenz, onde o Mosela encontra-se com o Reno, ponto chamado de Deutsches Eck. Você irá utilizar os trens regionais da Deutsche Bahn. Muitos aproveitam para esticar e fazer também a Rota Romântica.

8

Além da farta oferta de vinho nos muitos vilarejos e cidades históricas ao longo do caminho, aproveite para se deliciar com os pratos típicos, como o Schmalzbrot (pão com pasta de gordura e bacon), o Speckplätzchen (pãezinhos de bacon) e o Zwiebelkuchen (torta de cebola). Você encontra tudo isso em várias Strausswirtschaften, adegas improvisadas muitas vezes nos porões de bonitas propriedades rurais. É uma experiência incrível!

9

E além da experiência gastronômica, o viajante também pode se aventurar por castelos medievais, onde é possível se hospedar e participar de festas medievais. Falando em festas, a Rota do Mosela tem muitos eventos interessantes, como festivais do vinho, festivais que revivem a antiguidade, o Happy Mosel, famoso festival de bicicletas, e vários outros. É um roteiro muito rico em cultura e sabores.

6 – Trem de Koblenz para Mainz (Vale do Reno)

Esse trecho é feito pela Rhine Valley Line, que proporciona uma viagem inesquecível pelo Vale do Reno. Indo de Koblenz a Mainz, você irá percorrer os vinhedos alemães com belíssimos castelos surgindo nas paisagens, além de vilarejos que parecem saídos diretamente dos contos de fadas.

10

Os trens dessa linha são muito confortáveis, contando com restaurante, serviço de garçom, recreação infantil, ar-condicionado, wi-fi e muitas outras comodidades.

A charmosa cidade de Mainz é conhecida por ser a cidade natal de Gutenberg, o inventor da imprensa. Além dela, há muito o que se conhecer, como a fortaleza de Ehrenbreitstein, em Koblenz, e os castelos de Marksburg, Stahleck, Katz, Maus e Pfalz.

7 – Trem de Berlim para Schöna

Para quem pretende conhecer a efervescente Berlim, um roteiro bacana de trem é ir até o município de Reinhardtsdorf-Schöna, mais conhecido somente como Schöna, que fica na divisa da Alemanha com a República Tcheca, na região da Saxônia. Um passeio recomendado por muitos dos que já exploraram a região da Saxônia é o Saxon Switzerland National Park (Sachsische Schweiz National Park), onde você pode fazer trilhas em meio a paisagens estonteantes, com seus desfiladeiros de arenito. O parque fica a mais ou menos 7 km da estação de trem de Schöna.

11

A uma hora de trem de Schöna está Dresden, uma cidade cheia de opções bacanas de passeios, como a fábrica da Volkswagen, os jardins do Zwinger (complexo de edifícios, fontes e jardins barrocos), o Markthalle (mercado do século 19 que hoje abriga restaurantes, cafés e bancas de produtos locais).

Em 1485 a família Albertine Wettin decidiu estabelecer residência em uma cidade banhada pela margem do rio Elba: assim Dresden, localizada no leste da Alemanha, teve seus primeiros dias de destaque. No século 18 a cidade começou a florescer, se tornando um importante centro cultural no país, e ganhando magníficas construções por toda sua região. Nos dias atuais Dresden se concretizou como local referencial para os que buscam cultura. A cidade tem, além de suas construções, uma importante ligação com a música. A quantidade e qualidade dos bens culturais de Dresden são tão grandes que deixam qualquer turista sem palavras.

13

14

Começando pela parte de atrações, Dresden abriga pontos mundialmente famosos, como o Palácio de Zwinger, admirado como ponto alto da arquitetura barroca, a ópera Semperoper, considerada uma das mais belas do mundo, e igreja Frauenkirche, que é uma das mais importantes do Protestantismo. Além dos “três grandes” pontos da cidade, encontram-se o castelo Residenzschloss, que possui a maior câmara de tesouros do mundo, o belo bairro de Blasewitzer Villenviertel, os jardins de Hellerauer Gartenstadt e os dozes museus do acervo de arte Staatliche Kunstsammlungen.

A cidade também é dona da chamada “Sacada da Europa”, que é nada mais que o belíssimo parque de Brühlsche Terrasse, que possuí uma vista magnifica para o Rio Elba. A área do parque também é conhecida por ser cercada de obras arquitetônicas importantes como a Academia de Artes e o Albertinum. Os museus da cidade possuem obras famosas como a Madonna, de Raffael.

12

E para os que acham que Dresden vive apenas de suas obras seculares, há muita modernidade na cidade também: famosos arquitetos atuais deixaram sua marca em construções como a Nova Sinagoga, ou o palácio de cristal UFA-Kristallpalast, do famoso arquiteto austríaco Coop Himmelb.

Dresden também se tornou uma das capitais da música na Alemanha. Há mais de 700 anos óperas, orquestras e conjuntos embalam o som da cidade. Durante o ano inteiro a programação cultural local possui festivais com a música clássica, além de festivais internacionais com outros diferentes estilos, como o jazz – Dresden cedia o maior evento do estilo da Europa, o Festival Internacional Dixieland.

A cidade também é dona da mais antiga feira de natal da Alemanha. Documentos mencionam o acontecimento pela primeira vez em 1434. Até hoje a feira é uma das mais belas do país: luzes, cores e aromas encantam os visitantes de dezembro. Neste mês é possível se deliciar com biscoitos típicos, vinho quente e o tradicional bolo Striezel. Dresden é de fato uma cidade impressionante, que leva cultura em seu sobrenome, e vale a pena visitar.

Aproveite essa dica maravilhosa e se inspire para suas próximas férias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *